Confira as mais lidas deste domingo

5maislidas3Fred rechaça frustração: “Esse time caiu ano passado”

Atacante campeão brasileiro no Flu luta para reerguer carreira

Atuações NETFLU – Sport 2 x 2 Fluminense

Em grande fase na Áustria, ex-tricolor cogita se naturalizar

Quem é o maior culpado pelos vexames do Fluminense em 2014?

Veja como ficou a classificação do Brasileiro

1

Mesmo com chances reduzidas, Cristóvão afirma: “Saldo é positivo”

Foto: Photocamera

Foto: Photocamera

O Fluminense é o sétimo colocado e tem pequenas chances de jogar a Libertadores em 2015. Avaliando o ano, sem se esquecer do último, Cristóvão Borges acredita que seu trabalho a frente do time é bom.

- Se a gente olhar a temporada inteira e como foi a anterior, o Fluminense começou o ano sendo o clube mais odiado do Brasil. E sendo o adversário de todos. Para mudar isso foi necessário muito trabalho e muita qualidade dentro do campo. Os primeiros jogos que fizemos no começo do Brasileirão e da Copa do Brasil, todos fora do Rio, éramos hostilizados. Todo mundo achou que éramos culpados por algo. Coisa que não era. Pagamos pelo erro dos outros. Isso foi muito difícil. E teve ainda o temor de como seria o comportamento do time. Chegando hoje, nessa posição, e refletindo, analisando a trajetória, o saldo é positivo – disse.

Técnico diz que suas alterações fizeram o time melhorar

Foto: Photocamera

Foto: Photocamera

Diguinho, Kenedy e Biro Biro entraram no segundo tempo do jogo contra o Sport. Responsável pelas mudanças, o técnico Cristóvão Borges contou o motivo de ter preterido Walter, que foi titular seguidamente rodadas atrás, e gostou do que fez.

- O jogo precisava de atletas pelas laterais. Entrou Kenedy e depois Biro Biro para abrir o jogo. Pelo lado do campo. Abrir o time deles. Era a forma de buscar o empate. Empatamos e quase viramos com essas trocas.

Cristóvão explica o que quis com a saída de Fabrício

Foto: Photocamera

Foto: Photocamera

Fabrício falhou nos dois gols do Sport, mas, segundo o treinador do Fluminense, não foi substituído por ordem técnica. Cristóvão Borges explicou o que quis com a substituição do zagueiro pelo atacante Kenedy.

- Fabrício tinha levado cartão amarelo. O Sport joga esperando e com transição rápida. Não quis correr o risco de, em um jogo como esses, perder um jogador expulso. Valencia foi zagueiro diversas vezes. Foi para dar mais poder ofensivo. Algo que a gente precisava.

Goleador do Fluminense diz que concorrentes se prepararam melhor

Foto: Photocamera

Foto: Photocamera

Fred enxerga uma falta de planejamento do Tricolor em 2014. Por isso, na opinião dele, o time está em situação difícil na briga por uma vaga para a Copa Libertadores.

- Nosso time ganhou cinco dos últimos oito jogos. E mesmo assim ainda estamos longe do G-4. Mas temos que dar mérito também para as outras equipes que se prepararam melhor e que estão na nossa frente – frisou Fred.

Cristóvão Borges se recusa a jogar a toalha

Foto: Photocamera

Foto: Photocamera

Mais uma vez, Cristóvão Borges, após um tropeço, continua se dizendo confiante na vaga no G4. O treinador do Fluminense, em entrevista coletiva, lamenta o resultado fora do planejado. Ele gostou da vontade demonstrada pelos jogadores em busca da vitória sobre o Sport.

- O resultado não foi o ideal. A gente precisava vencer. Procuramos, buscamos o tempo todo. Não conseguimos. Enquanto as chances existirem, sejam elas remotas ou com dependência de resultados, vamos atrás. Vamos buscar as duas vitórias que temos de ter nas duas rodadas finais – comprometeu-se o treinador do Fluminense.

Fred rechaça frustração: “Esse time caiu ano passado”

Foto: Nelson Perez

Foto: Nelson Perez

O empate em 2 a 2 com o Sport que deixou o Fluminense com chances reduzidas de classificação à Libertadores não foi uma decepção. A opinião é de Fred, que cobrou um melhor planejamento à diretoria e revelou que vários jogadores deixarão o clube.

- Não fica frustração. Temos que lembrar que esse time caiu no ano passado. Não jogamos a Série B devido ao erro da Portuguesa. Temos que ser realistas mesmo que isso não sirva de argumento. Encontramos um outro caminho seguindo a filosofia do Cristóvão. Tentamos, mas erramos mais do que os outros na competição. Foi complicado para a gente. Esse ano foi difícil, no ano que vem vão sair vários jogadores. Espero que as coisas melhorem. É preciso se planejar – disse o camisa 9,

Atuações NETFLU – Sport 2 x 2 Fluminense

 

Fred impediu a derrota do Fluminense (Foto: Photocamera)

Fred impediu a derrota do Fluminense (Foto: Photocamera)

Diego Cavalieri – Nota: 6

Sem chance nos gols do Sport. Ainda salvou cara a cara com Joelinton.

Jean – Nota: 6

Escalado na lateral direita, procurou o jogo todo e fez o primeiro gol do Fluminense (mesmo que o árbitro tenha dado para Ewerton Páscoa). Oscilou cruzamentos certos com errados, mas não faltou entrega.

Marlon – Nota: 5

Enrolou-se em alguns lances. Teve muita dificuldade lá atrás com o ímpeto ofensivo adversário, mas não chegou a comprometer.

Fabrício – Nota: 2

Às suas costas saiu o primeiro gol do Sport. No segundo, não acompanhou Renê.

(Kenedy, intervalo) – Nota: 4

Muita correria, pouca objetividade. Sua entrada não foi de grande utilidade. Perdeu grande chance ao isolar bola praticamente livre para o chute.

Carlinhos – Nota: 5

Marcou com firmeza lá atrás. Por outro lado, chegou pouco à frente. Saiu por lesão.

(Biro Biro, 35 do 2ºT) – Nota: 5

Tentou dar correria ao ataque do Fluminense. Foi pouco produtivo.

Valencia – Nota: 5

Passou praticamente despercebido. Atuação correta na marcação.

Edson – Nota: 4

Até batalhou em campo, mas foi facilmente envolvido na marcação. Ainda teve dificuldades na saída de bola.

(Diguinho, 23 do 2ºT) – Nota: 5

Ajudou bem na marcação. Não complicou.

Wagner – Nota: 4,5

Começou mostrando ímpeto e terminou a partida como lateral-esquerdo. Esforçado apenas.

Conca – Nota: 5

Um sopro de talento no meio de campo do Fluminense. Se não foi brilhante, ao menos tentou algo diferente.

Rafael Sobis – Nota: 3

Burocrático. Deu apenas um chute no segundo tempo obrigando Magrão a praticar defesa relativamente fácil.

Fred – Nota: 6,5

Decisivo. Mesmo sem ter grande atuação, deu passe para o primeiro gol e empatou no fim do jogo com belo chute de fora da área.

Cristóvão Borges – Nota: 3,5

Voltou a mexer equivocadamente na equipe. Com o time perdendo por 2 a 1, escondeu-se de arriscar ao trocar um volante por outro (Edson por Diguinho). O empate foi mais pelo talento de Fred do que por merecimento tricolor.

Fred: “Não era o que esperávamos, temos que levantar a cabeça”

Foto: Nelson Perez

Foto: Nelson Perez

Fred marcou um golaço no empate em 2 s 2 com o Sport, impedindo a segunda derrota seguida. Mas para quem almeja a Copa Libertadores, a vaga ficou praticamente impossível. Fred lamentou o resultado, mas preferiu exaltar o time pernambucano, que não tem mais nada a disputar no campeonato.

- Não era o que a gente esperava, mas é levantar a cabeça e pensar no jogo contra o Corinthians. Nós encontramos um time que sabe jogar bola, tem um contra-ataque muito rápido. Enfrentamos um Sport motivado, com uma torcida que empurra e trabalhando bem a bola – avaliou, na saída do gramado.