Guilherme afirma ao torcedor que Flu está bem servido de zagueiros

5Gum, Elivélton, Henrique, Fabrício e Guilherme compõe o quinteto de zagueiros do Fluminense. Na visão do último, recém-contratado do Bragantino, o clube dispões de jogadores altamente qualificados e, por isso, entende que a torcida não tem de preocupar com o setor.

 

- O Fluminense tem grandes jogadores e quem o Cristóvão escalar, vai entrar e fazer de tudo para ajudar. O Elivélton, o Marlon, o Fabrício, o Henrique, o Gum… O Fluminense está bem servido de zagueiros – disse Guilherme.

Edson descobre novo estilo de jogo e se diz adaptado

2Trajando a camisa do São Bernardo, modesto clube do ABC Paulista, Edson tinha como função principal marcar. Como jogava numa equipe de menor investimento, sabia que o objetivo primário era defender para depois atacar. Contratado por um gigante do futebol brasileiro, o volante compara a mudança no estilo de jogo.

- O Fluminense tem que jogar sempre para cima. É diferente você jogar no Fluminense e no São Bernardo. O São Bernardo atuava muito fechado, muito compacto no sentido da parte de trás, para sair no contra-ataque. No Fluminense se fizer isso por dez minutos a torcida vai estar impaciente. Tudo é uma coisa coletiva, você vai no embalo do time. O Cristóvão tem a dinâmica de jogo dele e basta obedecermos do jeito que estamos fazendo para dar certo – comentou o camisa 19.

Fluminense é o quinto colocado em ranking de torcida por receita

Em estudo divulgado pela Pluri Consultoria, o Fluminense aparece na quinta  posição no ranking de torcida por receita. O total de torcedores foi obtido a partir dos dados do IBGE previstos para 2014 e as receitas, naturalmente, foram as mostradas nos balanços dos clubes.

O maior índice do Tricolor foi em 2012, quando ocupou a segunda colocação, perdendo apenas para o Coritiba, que lidera pelo terceiro ano consecutivo o ranking. Veja abaixo os números:

 

1

2

Vitória sobre “pedra no sapato” elevará moral, diz Jean

Foto: Photocamera

Foto: Photocamera

O Goiás atrapalhou a vida do Fluminense nas duas últimas temporadas. As desclassificações na Copa do Brasil em 2013, e na Sul-Americana neste ano até agora não foram bem digeridas por muitos torcedores. Dentro do elenco carioca, o sentimento também é de que os alviverdes têm sido um incômodo.

- Quando ganhamos fora de times de bom nível a confiança aumenta mais ainda. Quando se pega o Goiás, que tem sido uma pedra no sapato, a dificuldade aumenta um pouco mais, assim como a responsabilidade. Vencendo, a confiança vai ser maior ainda – declarou o volante Jean.

Walter já causa muita preocupação ao Goiás

4Conhecedor do futebol de Walter, os jogadores do Goiás sabem o que esperarão pela frente neste sábado, no Serra Dourada. O experiente goleiro Renan pede alerta máximo com o atacante do Fluminense, mas quer que a equipe da casa se imponha.

- O time do Fluminense tem muitos jogadores que temos que ter atenção, inclusive com o Walter, que merece nosso respeito, mas temos que nos preocupar com todos. Em casa precisamos mostrar nossa força, buscar ter as rédeas do jogo para estarmos mais perto da vitória – comentou o camisa 1 do adversário.

 

“Pura especulação”, diz presidente do Cruzeiro sobre Carlinhos

1Carlinhos não seguirá no Fluminense, conforme afirmou seu empresário, Luizão, e tem seu nome ligado a alguns clubes. Um deles é o Cruzeiro. O presidente da Raposa, Gilvan Tavares, nega qualquer tipo de conversa pelo retorno do lateral-esquerdo.

- Essa do Carlinhos é outra pura especulação. Não conversamos com ninguém. Ele está na mesma situação dos atletas (do Cruzeiro) que poderiam ir para a Europa, na base da especulação – garantiu o mandatário do clube mineiro.

Blog do Guerreiro – Como tudo começou

2O blogueiro desta semana é Gabriel Reboredo. O tricolor conta a sua história como torcedor do Fluminense, a influência de familiares alvinegros e a primeira reação quando viu o Maracanã lotado. Texto este aliás que ajudou o internauta a decidir seu futuro profissional, ingressando na faculdade de Comunicação Social. Não perca clicando aqui. Deixe seu comentário!

Você também quer ser blogueiro do NETFLU por um dia? Envie seu texto, de tema livre, para [email protected]

 

 

Confira entrevista do volante Edson a jornal

Foto: Photocamera

Foto: Photocamera

Entrevistado pelo jornal Lance, Edson relembrou seu passado, o momento pelo Fluminense com a titularidade e o que vislumbra para o futuro. Confira o papo na íntegra abaixo:

Quais são suas obsessões no Fluminense?

Quero conquistar títulos. Meu sonho é entrar para a história do clube, vestir a camisa da Seleção Brasileira, mas é preciso ter humildade, pés no chão, porque isso é degrau por degrau. A coisas vão naturalmente dar certo.

Você falou em degrau por degrau e degrau por degrau o Flu está engrenando. Vai conseguir a vaga no G4?

O mérito é de todo o time, do Cristovão e da comissão técnica. Estamos honrando a camisa do clube e não abriremos mão de lutar por esta vaga. Sabemos que vamos conseguir.

Em cerca de cinco meses, você já fez mais gols que Valencia e Diguinho. É goleador mesmo?

Ninguém tem características iguais. Sempre tem alguma coisa que vai diferenciar um do outro. Quando vou para a área para fazer o gol, vou com pensamento positivo. Não adianta só ir lá para se enganar. Tem que querer marcar o gol de verdade. Sou assim, penso muito positivo, tenho minha confiança lá em cima, elevada e me admiro muito neste sentido. Foi sempre um diferencial para superar a desconfiança dos outros.

Você ouviu alguma coisa negativa no momento em que chegou no Fluminense?

Vi comentários de que não deveria ter sido contratado, que não sou jogador para estar no Fluminense. Tudo que ouço acaba ficando grande e dá mais vontade de mostrar que as pessoas estão erradas. Está aí o resultado para os críticos. Mas tenho que manter os pés no chão. É só o começo. Não adianta nada ter uma sequência e de repente deixar cair. Aí voltam a criticar e ficam comentando um monte de besteiras. Mas creio que essas críticas não vão voltar e vou fazer uma história muito bonita no Fluminense. É uma desconfiança normal, mas há muitos jogadores bons nas séries inferiores. O (Guilherme) Mattis já está muito bem. Estou encontrando meu espaço e o Renato (lateral-direito) é muito bom também. É preciso ter menos preconceito com os jogadores que vêm de baixo.

O Flu tem a fama de conseguir feitos impossíveis. Dito isto, dá para sonhar com título?

É bem difícil. Não podemos nos iludir. Precisamos ter humildade e pés no chão porque o Cruzeiro abriu uma vantagem muito boa. Mas tudo acontece naturalmente e de repente a gente está aí, três vitórias seguidas e o Cruzeiro tropeça. Tudo pode acontecer. Temos de sonhar alto. O pensamento é classificação para a Libertadores. Daí deixa acontecer. Aí no fim de repente o bicho pega.

O que o torcedor pode esperar de você daqui por diante?

Sempre vou correr e batalhar. É uma coisa minha que não abro mão. Sou um cara que quer vencer na vida, fazer história. Tenho passagens marcantes por todos os clubes pelos quais passei, mesmo que menores. Aqui no Flu não vai ser diferente.

Jean reafirma preferência por atuar no meio-campo

Foto: Photocamera

Foto: Photocamera

No São Paulo, Jean era muito mais lateral-direito do que volante, embora nunca tenha escondido sua preferência. Contratado pelo Fluminense, vive sua grande fase em 2012, como segundo homem de meio-campo. Nas duas últimas partidas atuou na lateral, onde o atleta não reclama, mas sabe que rende melhor na posição originária.

- Já estou até acostumado a jogar ali na minha posição, a função que costumo fazer. Mas sempre deixei à disposição dele (Cristóvão Borges, técnico do Fluminense) para fazer o que for melhor para o time na cabeça dele. Na última partida entrei na lateral e não tem nenhum problema para ajudar – afirmou.

Edson: “Vi comentários de que eu não era jogador para estar no Flu”

Edson já vestiu a camisa do ABC

Edson já vestiu a camisa do ABC

Contratado do modesto São Bernardo, de São Paulo, Edson chegou ao Fluminense como aposta. Hoje titular, sofreu preconceito por se tratar de um jogador desconhecido do grande público. Deu a volta por cima, mas espera manter um nível de atuação para que as críticas não voltem.

- Vi comentários de que não deveria ter sido contratado, que não sou jogador para estar no Fluminense. Tudo que ouço acaba ficando grande e dá mais vontade de mostrar que as pessoas estão erradas. Está aí o resultado para os críticos. Mas tenho que manter os pés no chão. É só o começo. Não adianta nada ter uma sequência e de repente deixar cair. Aí voltam a criticar e ficam comentando um monte de besteiras. Mas creio que essas críticas não vão voltar e vou fazer uma história muito bonita no Fluminense. É uma desconfiança normal, mas há muitos jogadores bons nas séries inferiores. O (Guilherme) Mattis já está muito bem. Estou encontrando meu espaço e o Renato (lateral-direito) é muito bom também. É preciso ter menos preconceito com os jogadores que vêm de baixo – lamentou o volante.